São Caetano do Sul / SP - terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Tumores Intracranianos

Tumores cerebrais crescem quando certos genes são danificados. Em algumas situações uma pessoa pode nascer com defeitos parciais em um ou mais destes genes. Fatores ambientais podem levar a outras lesões, apesar de não se saber ao certo como estes fatores ambientais agem em um determinado individuo e porque algumas pessoas são mais suscetíveis.

Causas potenciais e estabelecidas incluem: radiação ionizante, alguns vírus e substâncias químicas.

A maioria dos tumores cerebrais não tem caráter hereditário, entretanto há síndromes hereditárias como a neurofibromatose em que tumores cerebrais estão presentes.

Células dividem-se rapidamente e mecanismos internos de controle deste crescimento estão danificados, evoluindo então para um tumor. Estas células são geneticamente instáveis e outras mutações podem ocorrer. Uma linha de defesa para esta ocorrência é o sistema imune, que pode detectar esta célula anormal e destruí-la.  Infelizmente tumores produzem substâncias que bloqueiam o sistema imune de reconhecer estas células tumorais.

O rápido crescimento do tumor demanda mais oxigênio e nutrientes do que o necessário para tecidos normais. Para isso os tumores produzem substâncias que promovem o crescimento de vasos sanguíneos conhecidos como "fatores angiogênicos". Estes novos vasos sanguíneos aumentam o suprimento de oxigênio e nutrientes para o tumor. O crescimento pode por vezes suplantar a oferta de oxigênio levando a zonas de necrose (zonas de morte celular maciça).

Há vários esquemas para a classificação dos tumores cerebrais. O meio mais importante para classificar os tumores cerebrais são:

  • Tumores primários
    • São tumores que surgem do tecido cerebral ou das membranas protetoras.
  • Tumores metastáticos
    • São tumores que crescem em outra parte do corpo (como mama e pulmão) e migram para o cérebro.

Os tumores primários podem ser benignos ou malignos. Tumores metastáticos são sempre malignos.

Tumores benignos geralmente não invadem o tecido cerebral adjacente. Tumores malignos sempre são piores, difíceis de controlar invadindo e danificando o cérebro.

Os tumores benignos mais comuns incluem aqueles originários do crânio e membranas que protegem o encéfalo (meningiomas), nervos (schwannomas) e da glândula hipófise (adenomas hipofisários).